: O corpo da primavera em falta.



Esta noite sonhei contigo. Acordei cedo, com a chuva a bater nas portadas das janelas, ainda com a imagem dos teus cabelos despenteado na minha mente. Se aqui estivesses, a partilhar comigo o calor desta cama, estarias a dizer-me que a Primavera se tinha esquecido que estava na altura de voltar para os nossos regaços. E eu ficaria pasmada, como sempre, com o som da tua voz. Mas não estás aqui. Provavelmente nunca mais estarás. Talvez por isso te faça viver nos meus sonhos. Relembro as noites passadas ao piano; aquelas primeiras vezes em que os nossos dedos se tocaram, procurando a mesma nota. Relembro os teus olhos escuros, escondendo a tempestade que sempre foste e nunca deixarás de ser. Relembro as palavras que te sussurrava ao ouvido e que te roubavam sorrisos verdadeiros. Nunca falámos sobre a nossa relação. Vivemo-la até que se roupessem todas as cordas que nos mantinham unidos. Dissemos um adeus sem lágrimas prometendo, em silêncio, manter a beleza do nosso amor em segredo. Ninguém soube de nós e foi tudo tão melhor assim. Porquê partilhar aquilo que é só - e tão - nosso? Mas, meu amor, sinto-te a falta. Das nossas conversas pela noite fora, da forma como me puxavas para ti. Sim, esta noite sonhei contigo. Como em tantas outras noites. Tu foste embora e agora a Primavera tarda em chegar. Estarás tu a atrasa-la para que possas voltar ao mesmo tempo que ela? Venham. Vem...

Comentários

  1. Identifico-me tanto com este texto!

    ResponderEliminar
  2. Sonhamos sempre com quem nos faz bem. E parece que há coisas que demoram a chegar porque há um vazio dentro de nós que distorce a realidade. Mas permitimo-nos esperar, até porque a esperança permanece inabalável.
    Que lindo, minha querida!

    ResponderEliminar
  3. r: Muito, muito obrigada! É tão bom ler isso *.*

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?