: [ Cidades de Papel ] de John Green



Comprei este livro através de uma das muitas promoções que o site da Editorial Presença faz. Já tinha lido o "A culpa é das estrelas" e fiquei curiosa por ler mais livros do autor. Quando vi a oportunidade de agarrar este não hesitei. E, bom, a verdade é que o devorei em dois dias. Agora resta-me esperar para que o filme seja lançado e eu possa ver estas aventuras no grande ecrã!


É um livro fácil de ler, "fresco" e muito juvenil. Muitos dos que aqui me lêem provavelmente já passaram pela fase de largar a adolescência e agarrar a vida adulta. E todos os outros passarão por essa fase daqui a poucos anos. Pois este livro fala exactamente disso. Das mudanças, da forma como vemos o futuro, das dores de ter que deixar o que conhecemos para trás. Este livro fala de amizade, de relações, dos fios que nos ligam ao mundo. O autor parece falar-nos ao ouvido ajudando-nos a pensar em toda a nossa vida. É impossível não nos revermos em alguma das personagens. 

Apesar deste não ter sido o livro da minha vida foi, ainda assim, uma leitura bastante agradável. Deixo-vos o excerto que mais me deixou a pensar. Reflictam... 

«- Sabias que, praticamente ao longo de toda a história da espécie humana, a esperança de vida média era inferior a trinta anos? Dava para contar com uns dez anos de vida adulta, certo? Não havia planeamento de reforma. Não havia planeamento de carreira. Não havia planeamento. Não havia tempo para planeamentos. Não havia tempo para o futuro. Mas depois a esperança de vida começou a aumentar, e as pessoas começaram a ter cada vez mais futuro, e por isso passaram a pensar cada vez mais nele. A pensar no futuro. E agora a vida passou a ser o futuro. Todos os momentos da nossa vida são vividos em função do futuro... vamos para o secundário para podermos ir para a faculdade, para podermos arranjar um bom trabalho para podermos arranjar uma boa casa, para podermos mandar os nossos filhos para a faculdade, para eles poderem arranjar um bom trabalho, para eles poderem arranjar uma boa casa, para eles poderem mandar os filhos deles para a faculdade.» (pág. 40)

Comentários

  1. Passamos tanto tempo a correr atrás do futuro, que nos esquecemos de viver o presente com a intensidade que ele merece. :/

    ResponderEliminar
  2. Não li o excerto porque agora ando a pensar noutra história xD e provavelmente vou ficar a roer-me para ler o Cidades de Papel ahaha xD
    Também comprei o livro numa promoção da Presença :)

    ResponderEliminar
  3. Está na minha lista de espera para ler... Nas férias de verão será um dos primeiros livros que vou ler :)

    ResponderEliminar
  4. O filme está brutal e o tributo está lindo, eles no fim já estavam todos a chorar... :p

    ResponderEliminar
  5. Assim que vi o trailer do filme, fiquei com uma vontade imensa de ler o livro. Sem dúvida que é uma das minhas futuras leituras, não vou perder :)

    http://ummarderecordacoes.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  6. Tal como ti, depois de ler «A culpa é das estrelas» fiquei cheia de vontade de ler mais livros do autor. Ainda não o fiz, mas estão na lista dos que quero comprar :)
    Esse excerto deixa-nos mesmo a pensar. Como as coisas mudam!

    ResponderEliminar
  7. O livro dele que eu mais gostava de ler é o "Teorema de Katherine", mas é claro que se pudesse lia todos dele!

    R: "Andar de amarelo" é vestir-me com roupas amarelas ahah

    ResponderEliminar
  8. É verdade, vivemos demasiado a pensar no futuro... e ele pode nem existir... Gostei da passagem, dá-que pensar realmente.

    Beijinho

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?