: Pequenos prazeres.


Uma das coisas que mais gostei quando fui para a faculdade foi aperceber-me da inexistência de campainhas estridentes que nos faziam dar um pulo caso tivéssemos o azar de estar ao lado delas quando começavam a tocar. É uma paz que não dá para explicar e que, se tudo correr bem, me irá acompanhar pelo resto da vida visto que tenciono continuar a trabalhar com crianças em idade de pré-escolar. Nestas idades - e na maioria dos jardins-de-infância - não há cá toques. Que alívio!!

Comentários

  1. Achei estranho não ouvir uma campainha a toda a hora, mas foi, sem dúvida, muito melhor :)

    ResponderEliminar
  2. Quando entrei para a faculdade era super estranho não haver campainha mas agora nem me imagino a ter de ouvir de novo aquela barulheira eheh

    ResponderEliminar
  3. Nunca pensei nisto. Talvez porque nunca foi uma coisa que me incomodasse.

    ResponderEliminar
  4. No primeiro dia, confesso, fez-me alguma confusão não haver, até porque foram muitos anos a ter essa campainha presente, mas depois soube bem. Partilho na integra!

    r: É mesmo*

    ResponderEliminar
  5. Eu só tive campainhas da 1 à 4ª classe e depois no secundário, já não sei bem porquê no basico nãp havia!

    ResponderEliminar
  6. Odeio campainhas e buzinas. Já cheguei a desligar a campainha da porta e sempre que um telefone toca, mesmo que um toque musical suavize mais a coisa, acabo sempre por ficar sobressaltado.
    E no carro buzino tão pouco que, quando tenho mesmo necessidade de buzinar a algum peão distraído, perco tanto tempo a pensar onde está a buzina, que quando me lembro já perdi a oportunidade de buzinar (já atropelei o peão ahahah).

    ResponderEliminar
  7. Ahaha eu também odiava o toque da campainha!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?