: Recados à macaquinha [2]


Gosto de te imaginar pequena, de mão dada comigo, procurando o aconchego que só o meu colo te poderá dar. Talvez seja egoísmo mas não gosto de pensar que irás crescer: que um dia deixarás de precisar tanto de mim. Sei que esse é o ciclo da vida e que a minha mãe - tua avó - está a passar pelo mesmo, mas quando nos toca a nós tudo parece ficar pior. Entre todos os sonhos, que tenho acordada, dou por mim a imaginar-te a pedires-me para saíres com os teus amigos ou a teres o teu primeiro namorado. Imagino o que é estar do lado oposto aquele em que estou agora. Sabes macaquinha, assustam-me esses pensamentos. Porque no momento em que isso acontecer sei que todos os teus sentimentos irão estar à flor da pele. Assusta-me porque irás contar-lhes todos os teus segredos e nós - eu e o teu pai - ficaremos para trás. Não darás conta mas irás afastar-nos um pouco. Irás refugiar-te muitas vezes no teu quarto, que se irá tornar o teu mundo. Mas não te preocupes... Não te iremos fechar numa redoma. Não esperes toda a liberdade do mundo assim que a quiseres, mas iremos abrir espaço para que vivas a tua adolescência da forma mais saudável possível. Estarei atenta aos teus passos mas, ainda assim, deixar-te-ei tropeçar aqui e ali. Só assim poderás erguer-te mais forte e com mais certezas sobre a pessoa que és. Eu caí várias vezes e foi ao ver quem me ajudava a levantar que percebi o que realmente importava na vida. Limpei o meu coração e olhei em meu redor com outros olhos. Não gosto de imaginar que irás crescer porque sei que, inevitavelmente, irás sofrer. Gostaria de te prometer que poderia proteger-te de todos os males - não será isso que todas as mães querem? - mas não vou começar a nossa relação com falsas promessas. Posso, no entanto, garantir-te que estarei sempre a teu lado. Afinal de contas o nosso amor será incondicional. Ou talvez não aconteça nada disto e eu esteja aqui a divagar sem sentido. De qualquer das formas uma coisa é mais do que certa: nunca deixarei de te amar.

Comentários

  1. Oiin, fiquei toda derretida *.* que lindas palavras e, acima de tudo, tão verdadeiras :')

    ResponderEliminar
  2. Este texto é tão lindo. Gostei tanto que fui ler o primeiro que escreveste. Adorei.

    ResponderEliminar
  3. Adoro a maneira carinhosa com que tratas e gostas de falar com alguém que já imaginas amar, mas que ainda não existe :)
    E amo o nome Helena, é o nome da minha mãe!

    ResponderEliminar
  4. Acho que daqui a uns anos quando lhe mostrares isto ela vai ler e chorar, ao menos é o que eu faria.
    Mostra-lhe quando fizee os 13 anos que é ai que tudo começa, experiência própria.
    Beijos
    http://mariacrescida.blogspot.pt/?m=1

    ResponderEliminar
  5. Fico sempre encantada com estes recados *.* dá vontade de ler o texto vezes e vezes sem conta, está carregado de ternura e amor e isso sente-se em cada palavra.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?