: Recados à Macaquinha [6]


Macaquinha, depressa te irás aperceber que eu e o teu pai crescemos em realidades completamente diferentes. A minha família sempre esteve meio dividida e eu passava a maioria dos meus dias sozinha, brincando calmamente no meu quarto. Sempre fui filha única e gostei. Muitos me julgam egoísta e dizem que gostei de ser filha única porque fiquei com tudo para mim. E eu limito-me a rir. Rio-me porque cresci com os meus primos sempre bem perto e foram eles os meus irmãos mais novos. Brinquei com eles e aprendi a defendê-los; a partilhar tudo com eles. Nunca fui egoísta. Nem sequer mimada. Ainda hoje sou a primeira a oferecer o que quer que seja a quem eu saiba que precisa. Se tivesse tido irmãos a minha vida tinha sido totalmente diferente e, talvez por gostar tanto do que os anos me trouxeram, aprendi a olhar para trás e a sorrir para todos os dias que passei deitada na cama em silêncio, a ler. Já o teu pai cresceu numa casa sempre cheia. Cheia de vozes, de sorrisos, de brincadeiras. Tem uma irmã mais nova, a tua tia Tânia. Passam a vida a discutir mas adoram-se. E eu adoro a relação deles! Sabes, minha pequena, quero essa relação para ti. Quero dar-te um irmão. Não o irei gerar dentro de mim mas será nosso: teu irmão, meu filho. Um dia irei falar tudo isto contigo mas digo-te já que quero, desde sempre, adoptar. Quero levar-te pela mão para que nos ajudes a escrever o nosso futuro. Quero ensinar-te a partilhar, a amar incondicionalmente, a procurar ser melhor a cada dia. Quero que aprendas a dividir tudo o que tens, seja material ou emocional. Quero que vejas nele o teu melhor amigo, a pessoa que te irá amparar quando sentires que eu e o teu pai fomos injustos para contigo. Quero construir-vos tendas na sala e ouvir-vos a sussurrar segredos. Mas, primeiro, dar-te-ei alguns anos para que te possas deitar na cama a ler, no silêncio do vazio. Quero que tenhas um pouco dos dois mundos. Mas sempre em melhor. 

E só espero que vivas feliz com estas minhas decisões.

Comentários

  1. É preciso aprendermos a dividir para nos sentirmos inteiros, porque só faz sentido se partilharmos. Tenho a certeza que vai ser muito feliz a viver com ambas as realidades!

    r: Por acaso, os cartazes têm sido excelentes. A Câmara do Porto tem apostado num S. João em grande e esta segunda edição dos concertos na avenida está a ser um sucesso (tal como a primeira). Acho que era uma ótima ideia mudares :D
    Só os vi ontem pela primeira vez e fiquei ainda mais rendida. É mesmo como tu dizes, são magníficos!

    ResponderEliminar
  2. Sempre tive o sonho de adoptar. Cá em casa, sempre que falava nisso, era mal recebida. Não querem que adopte, que crie um filho que «não é meu» mas é irónico que digam isso visto que eu sou adoptada da parte do pai, não é? :p mais uma daquelas situações em que falam de boca cheia e nem moral têm. Por isso tenciono mesmo adoptar, porque quero e porque uma criança que ficou sem pais não tem de viver assim se eu o puder evitar!

    ResponderEliminar
  3. Espero vir a adoptar um dia também, e acho tão bom que o queiras fazer! De certeza que a tua menina receberá o irmão de braços abertos :)

    ResponderEliminar
  4. Adorei ficar a saber que tencionas adoptar. Também é algo que gostava muito de fazer. E este recado à tua macaquinha, esta um amor, como sempre.

    ResponderEliminar
  5. Tão ternurento saber que já amas assim tanto a tua macaquinha..
    Adoro ler!!

    ResponderEliminar
  6. Eu acho que ela vai crescer muito feliz com as tuas decisões, pois foram tomadas com amor e carinho e é só isso que é preciso para determinar o bem estar de qualquer criança! Ela vai ter tanta sorte!

    ResponderEliminar
  7. Que texto lindo! Só uma grande pessoa para querer adoptar uma criança!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?