: As flores da nossa despedida.


No dia em que me vi obrigada a despedir de ti alguém me deu dois cravos brancos. Tinham sido retirados de uma das muitas coroas de flores que depositaram ao teu redor. Lembrei-me de todas as flores que colhemos, as duas, para fazermos pequenos ramos. Peguei neles, como quem pega na vida, e senti-te ali. Não os larguei até chegar a casa, onde me permiti soltar tudo o que tinha reprimido. E lembrei-me de ti, mais que nunca. Sempre te admirara por encarares o futuro com esperança, mesmo quando a vida apenas te colocou pedras no caminho. Sempre te admirara pela tua força de viver. Pelo teu sorriso. Ainda hoje admiro. Por tudo aquilo que foste e por tudo aquilo que nunca deixaste de ser. Ainda hoje sinto os dois cravos na minha mão. Ainda hoje te sinto o abraço. Avó, da próxima vez que te visitar prometo levar-te cravos brancos. Para que saibas que, por muitos anos que passem, nunca me esqueço de ti. 

Comentários

  1. Há textos para os quais nos faltam as palavras e este é um deles. Senti-o na pele!

    r: Obrigada :)

    Como te compreendo ahah mal o vi lembrei-me logo de ti*

    ResponderEliminar
  2. Texto lindo e emocionante. A tua avó é uma estrelinha que brilha e está certamente a olhar por ti ;)

    ResponderEliminar
  3. Emocionei-me a ler este texto porque pensei na minha avó e nas saudades que tenho dela.
    Muito bonito.

    ResponderEliminar
  4. Quando vou visitar o meu pai, também gosto de levar flores.

    ResponderEliminar
  5. Um amor desses nunca se apaga. Ao ler isto até me emocionei...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?