: Flor és. Flor serás.


O sol ainda não acordara quando me sentei, de pernas cruzadas, à beira da cama. Atrás de mim estava a minha mãe, penteando-me os negros cabelos. Passava a escova uma e outra vez, delicadamente. Desfazia os nós que a almofada se divertia a fazer, durante a noite. E eu fechava os olhos, apreciando aquele momento. Senti-lhe as mãos a entrançarem-me o cabelo e não demorou muito a que, com mestria, uma longa trança caísse pelas minhas costas. Dentro de uma cesta, de verga clara, repousavam oito flores de várias cores. Uma por cada ano que eu já contava. Uma por cada uma das minhas primaveras. Encaixou-as, calmamente, nos espaços que criara no meu penteado. Lembro-me da minha mãe assim: calma e ponderada. Meticulosa e atenta aos pormenores. Já sem flores na cesta pediu que eu olhasse para ela. Os meus olhos verdes prenderam-se nos seus, cor de azeitona. Ela sorriu. «Estás linda», sussurrou-me durante um beijo na testa. Hoje, tantos anos depois, desconfio que ela teria dito isso, mesmo que eu não estivesse assim tão bonita. Abriu as portadas da janela e eu vi a minha Serra lá ao longe. Era o meu dia de anos e o sol já espreitava discretamente por entre o nevoeiro matinal. Estiquei-lhe a mão, agarrando nos seus dedos finos e descemos a escada assim, como se fôssemos uma só. Ainda hoje me lembro deste dia e da forma como os olhos da minha mãe sempre transbordaram de amor. Hoje, tantos anos depois daquele oitavo aniversário, despeço-me do ventre que me gerou. Hoje, tantos anos depois daquelas flores murcharem, despeço-me dos seus olhos cor de azeitona. Vi-os uma última vez. Fecharam-se. Hoje deixo-lhe oitenta e nove flores. Uma por cada primavera que vivemos juntas. Uma por cada ano em que me amou. Uma por cada sentimento de felicidade que nunca me abandonará.

Fictício.


Comentários

  1. Respirei de alívio ao ler "fictício" ali no cantinho!
    Tão triste mas tão bonito :)

    ResponderEliminar
  2. Podes não acreditar mas adoro que me escovem o cabelo. Por isso e por tudo o resto, adorei o texto.

    ResponderEliminar
  3. Gostei tanto do texto que fiquei com vontade de ler mais.

    ResponderEliminar
  4. R : Disseram-me que o médico só lá estava ás quartas-feiras , e que foi erro de quem enviou o telegrama , fiquei furiosa, vê-la que disse que ia enviar isto para a televisão xD estive o dia todo a líquidos e depois em jejum ...

    ResponderEliminar
  5. Que texto simplesmente fantástico, consegues retratar tão bem a perda de alguém. As palavras que usaste são fenomenais :)

    http://ummarderecordacoes.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  6. Que lindo :') espero ler mais deste tipo de textos por aqui :) gostei muito

    ResponderEliminar
  7. Que texto lindo e triste ao mesmo tempo. Tens muito jeito! :)
    r: Obrigada! :D

    ResponderEliminar
  8. Escreves mesmo muito bem :) Fiquei com vontade de ler mais.
    R: Concordo, apesar dos seus 34 anos o homem ainda está impecável! :)

    ResponderEliminar
  9. Comecei com um sorriso e acabei de lágrimas nos olhos. Que lindo, minha querida! O amor também é isto, esta demonstração de afeto nos pormenores mais simples, nas despedidas que nos custam sempre.

    r: Verdade, era mesmo ahahah :p

    ResponderEliminar
  10. Lindíssimo o teu texto, sou fã da tua escrita :)

    ResponderEliminar
  11. Boa escrita. Um ótimo dia.

    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  12. Este texto é tão bonito e tão triste ao mesmo tempo. Mas, como sempre, babei-me pelas tuas palavras. :)

    ResponderEliminar
  13. Uma mãe, apesar de tudo o que possa acontecer, deseja sempre o melhor para os seus filhos!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?