: Decisões que fazem a diferença.


Há dias em que tenho pena de não ter um carro meu. Adorava ter a liberdade de me sentar atrás do volante e ir passear para onde eu quisesse, nos tempos livres que passo sozinha. Mas na maioria dos dias agradeço o facto de ter pensado duas vezes antes de tomar a decisão de comprar um amigo de quatro rodas. Fora todas as despesas que já temos com o carro do David, o facto de ter que andar a pé para ir trabalhar - ou se quiser ir a um outro lado qualquer - ajuda-me a manter-me activa. Se tivesse um carro não duvido que iria optar sempre pelo conforto o que me tornaria ainda mais preguiçosa do que já sou. Talvez um dia venha a ter um carro meu mas, por enquanto, contento-me com os meus dois melhores amigos: os meus pés.

Comentários

  1. Eu acho que se tivesse um carro só meu também estava desgraçada ahahah xD

    ResponderEliminar
  2. O carro é, sem dúvida um aliado do sedentarismo e da maneira que a maior parte das pessoas o usam, não deve tardar muito que a evolução faça do ser humano qualquer coisa com rodinhas em vez de pernas.
    Eu comecei no início do ano a contrariar a tendência e vou, duas ou três vezes por semana, fazer compras a pé. Não compro tudo de uma vez, mas cada ida ao Lidl, corresponde a cerca de 2,5 Km (ida e volta). :)

    ResponderEliminar
  3. Não ter carro, sem dúvida, que faz com que sejamos muito mas muito mais activos.

    ResponderEliminar
  4. Eu dentro de pouco tempo vou ter um meu, faz-nos imenso jeito :)

    ResponderEliminar
  5. Ainda no outro dia estive a falar com um amigo meu disso. Ele tem carro há 8 anos e entre mim e ele eu sou muito mais activa em todos os aspectos. Ele é super preguiçoso, já não sabe nem ir comprar pão sem pegar no carro quando a padaria fica ao fim da rua. E ele reconhece isso por isso sinto-me feliz de não ter carro porque embora perca muito tempo em transportes para ir trabalhar, ao menos sou activa e isso acaba por me dar mais energia :)

    ResponderEliminar
  6. Há sempre alturas em que nos arrependemos de não ter tomado determinada decisão, mas desde que nos restantes estejamos satisfeitos, está tudo bem! :)

    ResponderEliminar
  7. Realmente ter um carro é uma decisão a ponderar bem. É uma despessa constante.

    ResponderEliminar
  8. Ler isto fez-me lembrar o arrependimento que surge sempre no Inverno, por não tirar a carta de condução, mas também não me serviria de nada, visto que muito certamente não conduziria.

    ResponderEliminar
  9. Penso como tu mas, às vezes, ter um carro faz mesmo falta...

    ResponderEliminar
  10. Não tenho carro, muito menos carta. E às vezes arrependo-me um bocadinho de não ter tirado, porque é sempre outro conforto, além de que não tinha que incomodar os meus pais. No entanto, por outro lado, não me arrependo (parece contraditório), porque não quero tenham mais uma despesa. Hei-de ser eu a pagar a minha carta, já basta que me paguem os estudos.
    É verdade, entre ir de carro ou ir a pé acabamos sempre por escolher o que nos cansa menos.

    ResponderEliminar
  11. Ora nem mais. Eu tenho carro mas não podia concordar mais com o que dizes. Apesar de nos dar imensa liberdade é uma grande responsabilidade e implica que gastemos muito com ele pelo que não é fácil, por exemplo, pouparmos algum. É uma renda um carro mesmo já pago (imagino os comprados a crédito!). Além disso, quanto ao andarmos a pé e manter-mo-nos ativos podes crer que acabamos sempre por preferir o conforto do carro quando o temos, o que não ajuda tanto à nossa saúde. Beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?