terça-feira, setembro 22

: Ele foi o amor que nunca quis viver.



Às vezes dou por mim a pensar se ainda és vivo ou se cumpriste as ameaças que fazes já há mais de sete anos, para tentares dominar quem está contigo. Se ainda te comportas da mesma forma que eu conheci ou se, pelo caminho, ficaste menos amargo. Já há muitos anos que não quero saber de ti. Não mais te procurei e imagina o meu espanto quando percebi que, na tua cabeça, eu sempre tinha sido a má da fita. Ri-me. E enterrei-te de vez. Perdi demasiado tempo a tentar aparar os golpes que davas às tuas outras namoradas. Preocupei-me com elas - afinal de contas não queria que vivessem o mesmo que eu - mas parece-me que ainda não tiveste sorte no amor. Parece-me que todas elas se tornaram, de uma maneira ou de outra, em Cláudias: com poder de decisão e opinião própria. Poderia até questionar-me acerca do motivo para a tua solidão mas ele continua bem à vista. Procuras anular um outro alguém em teu prol e justificas isso com lealdade e amor. Espero que nunca encontres alguém disposto a isso. Lamento que a tua mentalidade esteja retorcida e que a tua razão nunca vá ser a melhor. Podias ser uma boa pessoa, a sério que sim. Mas o problema é que não o sabes ser. Às vezes dou por mim a perguntar se ainda ninguém se virou contra ti. E depois percebo, em poucos segundos, que afinal não tenho interesse em saber. 

13 comentários:

  1. Há pessoas que apenas não valem a pena. Força*

    ResponderEliminar
  2. E eu tive um amor assim...
    Ainda bem que passou e tal como tu, nem quero saber :)

    ResponderEliminar
  3. Todos nós temos potencial para sermos boas ou más pessoas. Penso que na maior parte das vezes não depende só da vontade de cada um, mas do meio e das circunstâncias da vida.
    E olha que não acredito que a maldade traga felicidade a ninguém. Não acredito que alguém consiga ser feliz com a infelicidade que provoca aos outros.
    Digo eu, que não me considero um santo. :)

    ResponderEliminar
  4. Gostei muito do texto Cláudia. Ninguém pode querer que o outro se anule, por si próprio... isso não é amor, é egoísmo. E quanto à tua pergunta, se ainda ninguém se virou contra ele, penso que ele próprio faz isso ao agir dessa forma... ele próprio acaba por sabotar a sua hipótese de ser feliz...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Entregamos tanto de nós que quando o laço que quebra de vez o interesse desaparece para sempre. Ninguém devia viver um amor assim, porque isso não é amor.

    ResponderEliminar
  6. Felizmente todas se tornarem Cláudias... E tu te tornas-te indiferente a um capítulo desses.

    Um beijinho grande

    ResponderEliminar
  7. Esquece-o. Infelizmente não te tornaste indiferente porque continuas a falar sobre isso. Deixa-o viver a vida dele e vive tu a tua.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro/a anónimo/a, acho que deixei bem claro no texto que não só já o esqueci como nunca mais lhe falei sequer... "Escrevi-lhe" um texto simplesmente porque me falaram dele e sou livre de escrever sobre o que me apetecer. Portanto ele está mais do que a viver a vida dele, sem qualquer presença minha. Se por algum motivo ainda não esqueceu o que fez então é porque a consciência dele afinal funciona!

      Eliminar
    2. Sim, és livre de escrever sobre o que quiseres, não pus isso em causa. Simplesmente acredito que há coisas, causas e pessoas sobre as quais não vale a pena escrever. Mas pronto, esta é apenas a minha opinião.

      Eliminar
    3. Sabes... acho que já existem demasiados tabus na nossa vida. Não há nada sobre o qual não valha a pena escrever. É para isso mesmo que existem as palavras! E se eu conseguir ajudar uma única pessoa com este texto então valeu a pena.

      Eliminar

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?