: A mudança começa em nós!

Se há coisa que eu não suporto é qualquer tipo de violência. Seja física ou psicológica. Seja entre casais, familiares ou amigos. Não suporto ver alguém a ser rebaixado por algo que faz parte de si. E, felizmente, tenho a sorte de poder agir junto de crianças desde cedo para que aceitem as pessoas como elas são. Sempre que oiço algum comentário maldoso falo com a pessoa em questão e faço-a ver que gozar com alguém magoa. Sempre que rejeitam alguém ou a excluem das brincadeiras faço questão de resolver o problema, para que ninguém fique abandonado num canto do recreio. E dá gosto perceber que aos poucos eles vão percebendo que têm muito a ganhar com a bondade. Dá gosto perceber que vão incluindo todos e se preocupam com terceiros. As crianças são o melhor do mundo, não vou negar, mas podem também ser maldosas. Principalmente se em casa a educação for dada no sentido de excluir todos aqueles que são diferentes. Cabe-nos a nós, adultos, orientar os mais novos para uma sociedade mais inclusiva, mais unida. Quem vai parar o bullying? - é a pergunta que se impõe. E eu respondo: todos nós. Nunca pensem que as vossas palavras são só uma gota no oceano. São essas gotas que farão a diferença!

Comentários

  1. Todas as gotas fazem a diferença, sem dúvida! Quem dera que o mundo inteiro soubesse disso

    um beijinho

    ResponderEliminar
  2. É verdade. Há coisas que se dizem que ferem e marcam para sempre mesmo na infância. E os mais pequeninos devem aprender isso desde cedo. Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Verdade, a mudança começa em nós :)

    ResponderEliminar
  4. Gostei de ver as reações das pessoas!! Espero que a maioria tenha sido assim!

    ResponderEliminar
  5. Sou contra o bullying e todos aqueles que se calam e deixam acontecer (pois esses também o fazem).
    Todos nós iremos parar o bullying, eu acredito.

    ResponderEliminar
  6. Concordo contigo em tudo o que referes no texto, mas tenho que realçar uma parte: as crianças são o melhor do mundo, não vou negar, mas podem também ser maldosas. Podem mesmo, e cabe-nos a nós orientá-las para um caminho em que a maldade não seja a protagonista. Cabe-nos a nós demonstrar o quanto agredir verbal ou fisicamente alguém causar danos nos outros. As crianças são o futuro, mas precisam de bons exemplos. Se cada um de nós mudar um pouco e transportar essa mudança para o dia-a-dia podemos mesmo fazer a diferença!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?