: Português Suave #5


Não sei onde ganhei forças mas afastei-me dos dois. Afastei-me da segurança dos anos que recheavam a nossa relação; da insegurança aromatizada pelo fumo dos cigarros que um outro alguém fumava debaixo da árvore. Fiz as malas e saí sem deixar recados. Despedi-me deles no silêncio de tudo aquilo que nunca vou dizer. Cortei as amarras que me prendiam a esta terra e apanhei o primeiro comboio que me levava até ao outro lado do país. Arranquei-os do meu coração à força e ignorei a dor de abandonar quem amamos. Ignorei o sangue que jorrava da ferida que eu própria abri. Eu amei-os, aos dois. Mas nunca em simultâneo. Amei o meu noivo, durante todos os anos em que fomos um só. E depois amei aquele desconhecido que me cativou com um só olhar. Amei-os, em tempos separados. Talvez ainda os ame e sempre vá amar. A distância irá clarificar a minha mente e dar-me as certezas que eu não consegui encontrar. Não tenciono voltar mas será bom perceber qual o lado do meu coração que mais pesa. Será bom terminar com esta loucura de uma vez por todas. Afastei-me. E nunca nenhuma decisão me tinha doído tanto. Sei que irão procurar por mim, sentir a minha falta. Mas irão, mais cedo ou mais tarde, ultrapassar a minha ausência. E essa dor em nada se assemelhará com a da incerteza em que eu os iria fazer viver: naquela corda bamba de quem quer amar mas não sabe escolher. O problema era eu e cortei-o pela raiz. Agora já não há retorno... Toda uma nova vida se abre para mim. Resta-me agarrá-la. Só espero que um dia eles me possam perdoar.

Comentários

  1. A nossa vida está carregada de decisões difíceis, mas que têm que ser tomadas. Caso contrário, acabaremos por sufocar no meio das dúvidas, das indecisões, do medo que se instala, da segurança que se quebra. É preferível cortar o mal pela raíz e tentar amenizar os dados do que deixar seguir e depois ser impossível colar os cacos.

    ResponderEliminar
  2. Por vezes só conseguimos tomar a decisão acertada, se conseguirmos o distanciamento que permite ver o problema e a causa. :)

    R: Imagina uma instituição de ensino especial, a dar aulas a adolescentes com problemas do foro psicológico.
    É de endoidecer. ahahahah

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?