: Um obrigado e um adeus.


Não sei falar sobre desamor. Mesmo quando feres o meu coração, com todo esse teu desapego. Mesmo quando me negas o teu amor, ignorando a minha presença. Não sei olhar para ti com amargura, sem desejar o teu abraço. Sei que nunca mais o vazio nos irá abandonar mas não consigo odiar-te. Amo-te demasiado para isso. Vejo-te, ocupado no teu próprio mundo, e pergunto-me em que momento nos perdemos um do outro. Em que momento seguimos caminhos opostos. Deito-me, sozinha, habituando-me ao frio que a falta do teu corpo provoca. Arrepio-me e recuso-me a lembrar os dias em que este quarto conservava todo o calor dos nossos melhores sentimentos. Recuso-me a chorar as feridas que se foram abrindo. Sempre ouvi que tudo aquilo que começa tem um dia que acabar. Só me resta aceitar que a nossa história acabou e retirar dela as melhores lições possíveis. Eu bem te disse... não sei falar de desamor. Tenho demasiado amor no meu coração: um dia tudo aquilo que sinto fará sentido e deixarei de me sentir a amar em vão. 

#Fictício

Comentários

  1. eu acho que nem tudo tem que acabar... e há coisas que não acabam... veja-se por exemplo o amor por um filho... e amar nunca é vão... há é muita gente que nunca amou e/ou não sabe amar...

    ResponderEliminar
  2. A mim sempre que custará, venha a personagem que vier. Maravilhoso, como sempre!

    ResponderEliminar
  3. Nunca se ama em vão, mesmo quando esse amor não tem pernas para andar, deixa-nos um testemunho, ensina-nos.

    ResponderEliminar
  4. Quando as pessoas são feitas de amor não há espaço para ódios!
    Adorei *.*

    ResponderEliminar
  5. Acho que ninguém é capaz, porque ninguém espera que o seu amor parta...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?