: Ao nono dia de Maio [trevas]


Esperei por ti.

Vinhas com um passo mais calmo, mais ponderado. O cabelo vinha penteado e a gravata não podia estar mais alinhada. Hoje tinhas todo o tempo do mundo. Assim que me viste sorriste e após uma breve conversa com um dos empregados vieste ocupar a cadeira à minha frente. Voltaste a pedir desculpa pelo que tinha acontecido no dia anterior e eu deixei-te à vontade, dizendo que o final do chá é demasiado amargo para mim.

Quando dei conta falávamos já há largos minutos. Um chá já me fazia companhia mas eu bebia as tuas palavras. Falaste-me de ti, do teu trabalho, dos teus gostos. E, por fim, da tua família. Da tua mulher e filhos. O meu olhar desligou-se. Por algum motivo tinha acreditado que eras solteiro. Talvez pela falta de anel no dedo ou pelo sorriso travesso que me tinhas lançado. Por algum motivo quis acreditar que o convite para aquela manhã tinha mais intenções do que apenas a retribuição de água espalhada no chão. Enganei-me. Vives uma vida que eu nem sequer imaginei e que me impede moralmente de tentar ser mais do que uma amiga. 

Estou em conflito mas vejo-te a falares alegremente, sem maldade. Nunca me viste como mais do que uma mera desconhecida. Uma daquelas pessoas que se conhece, com a qual se fala e depois se segue o caminho para não mais voltar. Não nos estão destinadas odes, fábulas ou lendas. Somos apenas duas pessoas na esplanada de uma pastelaria. 

Sei tudo isso e muito mais. Consigo empilhar todas as razões pelas quais o destino não nos traçou caminhos paralelos. Mas nada disso me interessa. Quero-te, sem pensar num futuro que poderá nunca chegar. Quero-te agora, no presente, como todos deveríamos amar. Olho para ti e choro. Sofro. Culpa minha, deste meu péssimo hábito de criar histórias na minha cabeça. De imaginar momentos antes mesmo de eles acontecerem. És tão real e ao mesmo tempo tão inalcançável. Nunca devia ter descoberto este novo caminho...

O dia em que te conheci foi, também, o pior da minha vida. 

#fictício 
#histórias de bolso

Comentários

  1. Muito bem escrito.
    Adorei.
    Parabéns
    http://osodracaitac.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  2. Inevitavelmente, criamos histórias para as pessoas que se atravessam no nosso caminho. O que magoa é quando descobrimos que todas elas se desmoronam.

    Incrível!

    ResponderEliminar
  3. Ai como adorei... Adoro estas tuas histórias de bolso :) são sempre um bocadinho de tempo em que viajo para fora da minha realidade e ás vezes é só disso que preciso para recuperar forças :)

    ResponderEliminar
  4. Os meus olhos escorrem silêncios bonitos...

    ResponderEliminar
  5. Adorei! Quase que me identifico com o final...

    ResponderEliminar
  6. um livro. por favor. "O dia em que te conheci foi, também, o pior da minha vida". ai.

    r: obrigadaaaaaa <3

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?