: Recados à Macaquinha [20]


Eu não gosto de ficar a pensar muito no futuro por um simples facto: não o posso controlar. Não sei o que me espera daqui a cinco, dez anos. Posso ir construindo o meu caminho, ir tomando as minhas decisões, mas não posso garantir que algo será preto no branco. Gostava de te poder garantir que eu e o teu pai seríamos sempre felizes juntos, mas não te posso prometer algo que pode ser tão frágil como um copo de vidro. O amor é algo delicado que precisa de ser tratado ao longo de toda a vida. Até ao dia de hoje temos conseguido superar os problemas sempre juntos - sempre mais fortes - mas não conseguimos saber o que nos reserva aquele futuro no qual ainda nem pensamos. Posso prometer-te apenas uma coisa: aconteça o que acontecer não deixaremos de estar unidos, como teus pais. Prometo-te que não nos deixaremos levar por hipotéticas raivas e guerras parvas, como eu vejo acontecer com tantos pais no local onde trabalho. Mesmo que a vida crie caminhos separados para mim e para o teu pai posso garantir-te que não me arrependerei de o ter escolhido para dar vida ao melhor de nós - tu. Não irei perder tempo a comprar problemas e a impôr regras impensáveis. Porque, no final de contas, a tua felicidade é a que mais importa. Eu e o teu pai iremos sempre lembrar-nos disso. Juntos ou separados serás, sempre, a nossa prioridade.

Mas, de preferência, sempre juntos. Os três.

Comentários

  1. O futuro será sempre uma incógnita, o importante é construirmos o presente com passos sólidos e que nos deixem com a certeza de que não faríamos diferente

    ResponderEliminar
  2. Ainda recentemente tive um pedacinho desse "futuro imprevisível"

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?