quinta-feira, novembro 3

: Os sinais que o universo me manda.


Avó, acreditas que já está quase a fazer seis anos que te falei pela última vez? Acreditas que ainda me aperta o coração pensar em ti? Talvez não acredites. Talvez pensasses que serias depressa esquecida. Mas não, estás muito enganada. Lembro-me de ti nas mais pequenas coisas. Mal imaginas o quanto eu gostaria que tivesses conhecido a minha casa. Mal imaginas o quanto eu gostaria de correr para ti e dizer-te que, finalmente, trabalho naquilo que sempre amei. Eu digo-te tudo isto, em pensamento. E mantenho-te viva no meu pensamento.

Sabes, faleceu recentemente a avó de umas pessoas próximas de mim. Revi-me nelas. Naquela força sobrehumana para continuar a vida normal quando o nosso mundo se desfez. Revi-me naquele conformismo de que a vida só vos magoava, que a doença só vos matava cada vez mais o espírito outrora tão forte. Revi-me naquele ar cansado de quem quer suportar as lágrimas de terceiros guardando as suas lágrimas para a almofada. Revi-me até no sorriso que lhes despontou nos lábios ao contarem que o sol brilhou no funeral, no meio de tanta chuva. Fez-me lembrar o dia em que me despedi de ti - Dezembro cerrado. O sol brilhava e a lua brindou-nos. E tu sabes o quanto eu gosto da lua. Senti que naquele momento me tinhas enviado um sinal de que estavas bem, a olhar por todos nós. Ainda quero acreditar que sim. E por isso mereces viver para sempre na minha memória. Mereces nunca ser esquecida. 

Já passaram quase seis anos e ainda choro ao escrever-te. Mas sorrio ao recordar-te, ao ver as nossas fotos, ao ouvir os nossos vídeos. Obrigada avó por todo o amor que demonstraste por mim. Por todo o orgulho que sempre sentiste na tua primeira neta, a pequenina. Não te irei desiludir.

5 comentários:

  1. O universo envia-nos mensagens, mas nem sempre estamos predispostos a ouvi-las. Quando estamos, é como se tudo fizesse sentido.
    Ainda tenho a minha avó comigo, felizmente, a mulher guerreira que ultrapassou muito e que me criou. Foi ela que foi, afinal, a minha mãe. Sei que um dia me vai deixar fisicamente, e pensar nisso faz-me sentir um aperto no coração que nem é possível descrever em palavras.
    ***

    ResponderEliminar
  2. Selena... Nome tão admirável quanto aparenta ter sido a tua avó.
    Um beijinho Cláudia!

    ResponderEliminar
  3. Senti este texto com bastante proximidade, porque me revi em todas as palavras!

    ResponderEliminar
  4. Entendo-te tão bem, em Julho do próximo ano também fazem 6 anos que a minha avó partiu..

    ResponderEliminar

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?