: «Deixem-no ser um cão!»




Na boca de muitos somos uns péssimos donos. Deixamos o cão trancado num parque durante o dia. Não o deixamos andar à solta na rua. Somos demasiado preocupados com aquilo que ele mete à boca. Não o deixamos comer nada do nosso prato. Não o deixamos correr durante muito tempo. Não o deixamos saltar. Não o tiramos de casa em dias muito quentes. Na boca de muitos não deveríamos ter um cão.

E eu, que ainda sou nova nestas andanças, ainda me dou ao trabalho de dar explicações. Ainda me dou ao trabalho de falar desta raça - bouledogue francês - e de todas as preocupações que acarreta. Ele não é um cão normal. Se saltar muito e por ter uma coluna por natureza torta pode criar hérnias e ficar paralisado. Se correr muito tempo ou sair à rua com muito calor pode sofrer um golpe de calor e morrer. São cães altamente propensos a alergias e têm que ter uma alimentação super vigiada para prevenir imensas doenças, entre elas as de estômago. Fica trancado sim! Para não estragar nada e, principalmente, para não engolir nada que lhe faça mal. Não o solto na rua. Porque é a raça da moda e sendo tão sociável como é qualquer um o levava - ainda há uns dias dei a trela para a mão do meu pai e lá foi ele, sem olhar para trás sequer! E porque os cães são imprevísiveis, por muito treinados que estejam.

Somos preocupados sim, com razões para isso! Não fui buscar o meu cachorro para depois fingir que não conheço as particularidades da raça. Estudei bem e esperei até ter condições para o trazer para casa. Ao contrário de muitas pessoas não o tratamos como um filho mas tratamo-lo o melhor possível, respeitando as caraterísitcas da raça. Aceitamos todas as críticas construtivas mas detestamos que nos julguem sem terem conhecimento de causa. 
A pior coisa que me podem fazer é tentarem desmandar por cima de mim, no que diz respeito ao meu cão. Normalmente ouvem uma resposta mais azeda e pouco me importa a quem me dirijo. Quem mexe com os meus mexe comigo!

Dizem-nos muito «Deixem-no ser um cão!» eu cá digo «Deixem-nos ser os donos que precisamos ser, porque cão já tenho!». Para já vivo apaixonada pelo meu porquito  e nem me importo com todas as preocupações. No futuro tenciono adotar um rafeirinho. Aí as coisas irão mudar e o cachorro poderá fazer imensas coisas que este não faz. Tudo a seu tempo!

Comentários

  1. Que todos os donos fossem como vocês. As pessoas falam muito mas temos de aprender a deixá-las falar e não fazer caso.

    ResponderEliminar
  2. Nós como donos, sabemos melhor do que ninguém como cuidar deles . O melhor é nem ligar para o que dizem .

    ResponderEliminar
  3. As pessoas acham sempre no direito de dar palpites e julgar a vida dos outros, esquecendo-se disso mesmo: é a vida de cada um. Continua com o bom trabalho que têm feito com o cachorro, só importa ficarem descansados com as vossas escolhas. Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Já tinha conhecimento das características destes cães e só fazem bem ao tratarem assim dele, é o melhor que fazem por ele. Não ligues ao que as pessoas dizem, também passo pelo mesmo com a minha cadelinha. Por exemplo, quando ela era mais nova comia tudo o que apanhava rua, até pedras. A solução que arranjamos foi ela andar de açaime, estás mesmo a ver os comentários que tivemos de levar não é? Mas enfim, foi o melhor para ela. Hoje já vai à rua sem nada, mas mesmo assim temos de estar atentos

    ResponderEliminar
  5. ps: Fiquei rendida à fotografia (e todas as outras que publicas no instagram ahah). Ele é tão fofinho *-*

    ResponderEliminar
  6. A meu ver o facto de se preocuparem com ele só demonstra o amor e o carinho que lhe sentem mas as pessoas tem que opinar sempre...

    ResponderEliminar
  7. Criticar é o que toda a gente faz de melhor. Para opiniões dessas o melhor é ignorar.

    ResponderEliminar
  8. Acho que isso é um bocado como quando se tem filhos... todos opinam, mas quem cuida é que sabe o que é melhor naquele momento! O meu cão anda solto pela casa e tudo o mais, mas também não gosto de o soltar na rua, por todos os perigos que isso pode trazer. E antes até lhe dava uns pedacinhos de carne que sobravam da nossa comida, ou até ossos, mas desde que teve uma gastroenterite em Maio, nunca mais isso aconteceu. Come ração, seca ou daquela mais humida, e é feliz na mesma! :)

    ResponderEliminar
  9. O mal das pessoas é acharem que elas é que sabem tudo. Da mesma maneira como somos seres humanos e todos temos as nossas particularidades e cuidados únicos, o mesmo acontece com os cães. A partir do momento em que nos predispomos a ter um animal, temos que saber se há alguma especificidade que requer mais atenção, para não corrermos o risco de o colocar em perigo, quando tudo isso podia ser perfeitamente evitado. Para além disso, falta uma enorme capacidade às pessoas: colocarem-se no lugar do outro. Porque se o fizessem, talvez pensassem que a vocês também vos custa colocar tantas restrições, mas fazem-no porque tem que ser. Porque caso contrário as consequências poderiam ser graves.
    Ignora, minha querida!

    ResponderEliminar
  10. Por acaso também coleciono ímans para a porta do frigorífico haha :D
    Que coisinha mais amorosa *-* Fazes muito bem, se a raça tem certas particularidades que envolvam a saúde, temos mas é de as respeitar e proporcionar um ambiente seguro para os nossos patudos. Ninguém gosta de ir com eles ao veterinário :(

    https://mundodablue.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  11. Gostei muito de ler este texto, porque tenho desconhecimento de causa (nunca sequer tive um cão). Ainda assim, no que diz respeito à comida, sempre achei que os cães comem coisas do nosso prato que lhe fazem mal :/ é um péssimo hábito.

    ResponderEliminar
  12. Como eu te compreendo! A minha Molly, pastora alemã, tem displasia da anca e quando a passeio e ela começa a saltar e eu peço que pare ou que se sente, oiço comentários estúpidos de pessoas a dizerem coisas como: "Que parva, nem deixa a cadela fazer o que quer" ou quando a Amêndoa quer correr ao pé de um descampado aqui perto de minha casa que tem umas plantas irritantes que ficam presas no pêlo dela e que depois formam uma espécie de "rastas", oiço mais gente mesquinha e só me dá vontade de lhes partir a cara toda, AHAH.
    Sinceramente, ignora, ignora, ignora - é a melhor opção! ;)


    Estranha Forma de Ser Jornalista
    http://estranhaformadeserjornalista.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  13. As pessoas são tão, mas tão irritantes, com esses palpites de m*rda. Metam-se nas suas vidas, senhores. Credo.

    ResponderEliminar
  14. Infelizmente nunca tive um cão. Adoro bulldogs e aqui no meu prédio há um que tem vários problemas de respiração. Ainda bem que sabes tratar bem do teu pequenote e que sabes o que é melhor para ele!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?