sexta-feira, setembro 1

: Ser Educadora: o lado menos colorido.


No mês em que inicia o novo ano letivo -  o meu segundo enquanto educadora - vou fazer algumas postagens sobre o que é ser Educadora. Começo pelo lado menos colorido da profissão mas, atenção, eu adoro o meu trabalho. Mesmo nos dias em que não me apetece sair da cama acabo por sair da escola com o coração cheio. Mesmo nos dias em que tudo parece correr mal acabo por receber um abraço que vale por tudo! E isso, para mim, é o mais importante.

1. As birras. Muitos de vocês têm filhos/irmãos/sobrinhos/primos pequenos. Já é díficil gerir a birra só de um, certo?! Agora imaginem quando duas/três/quatro crianças começam a fazer birra ao mesmo tempo... Seja por brinquedos - a mais típica - seja porque afinal não querem dormir, porque não gostam de alguma coisa que está no prato da comida ou porque querem colo. Eu normalmente opto por contar até mil e sento-os a descansarem um pouco. Aprendi, bem cedo, a não ceder a uma birra. Só quando se acalmam é que finalmente têm aquilo que desejam. 

2. As doenças. Para além de ficarmos tristes quando eles estão doentes, o mais habitual é apanharmos todas as viroses que eles também tiverem. Nós bem desinfetamos tudo - inclusivamente as nossas mãos - mas não há nada a fazer. É esperar que o sistema imunitário se vá habituando. O meu ainda não se habituou totalmente...

3. Os "presentes" gigantes. Já estou super habituada a mudar fraldas e faço-o sem qualquer problema, seja qual for o presente. Mas, ainda assim, uma pessoa nunca se habitua aqueles que só dão para lavar dando um grande banho! Normalmente surgem na mesma altura das viroses. Tão bom, não é?!

4. As fases do bater/morder. Todos passam por essa fase, desde os mais pequenos aos maiores. Seja por estarem a descobrir o corpo e o mundo ou porque, simplesmente, é a maneira de se defenderem. Independemente disso temos que estar super atentas para tentar impedir antes de acontecer. Ninguém quer ir buscar o filho e ouvir que este foi mordido (e às vezes a marca fica bem feia...). 

5. Quando se magoam. Seja na sala ou no parque há sempre a hipótese de se magoarem. Ora caem, ora entalam os dedos, ora alguém os empurra. Às vezes são coisas simples de se resolverem e basta um pouquinho de colo. Outras vezes requerem cuidados e temos que estar logo preparadas. Daí ser tão importante fazermos cursos de primeiros socorros. Nunca se sabe o que pode acontecer e antecipar é o nosso melhor amigo!

6. Algumas famílias. Nem todas as famílias são fáceis de lidar. Ora arranjam pequenos pormenores para criticar, ora estão sempre em cima de uma pessoa quase que à espera de um erro, para poderem apontar o dedo. É por isso que sou a primeira a dizer-lhes para virem falar comigo quando algo não lhes agrada. Felizmente os pais dos meninos com que fui trabalhando são acessíveis e, até ver, não tive problemas. Sempre nos conseguimos articular bem. Mas sei que há imensos educadores/as que não têm tanta sorte...

16 comentários:

  1. Acredito que hajam dias menos fáceis, mas nota-se mesmo que adoras o que fazes e isso é maravilhoso.

    ResponderEliminar
  2. Boa sorte, para este segundo ano!
    Beijos :)

    ResponderEliminar
  3. Acho que não tinha estofo para tudo isso :P Só pelas birras...ui! Acho que arrancava cabelos e saía de lá a 7 pés.

    ResponderEliminar
  4. Quando li o título da tua publicação, foram mais ou menos estas situações que me vieram logo à cabeça. É uma profissão que nos enche o coração, mas, de facto, também tem o seu lado menos bonito e glamoroso.

    ResponderEliminar
  5. acredito que a parte das familias seja bem difícil! o segredo de tudo é agradeceres por cada coisinha pequenina - um abraço, um beijinho - e o dia acaba sempre bem :)

    r: obrigadaaa <3

    ps: mudei o link do blog. se quiseres continuar a seguir, deixa de me seguir e volta a seguir para receberes a notificação dos posts :)

    ResponderEliminar
  6. Mesmo com estes aspectos negativos, dever ser muito bom ser-se educadora. Deves receber imenso amor por parte das crianças, não? :)

    ResponderEliminar
  7. Gostei muito de ler esta publicação :)
    A verdade é que todas as profissões têm o seu lado menos bom e nunca tinha pensado nesse lado das educadoras de infância :)

    Espero vir a ler mais publicações sobre este tema - não que queira ser educadora de infância mas por ser uma profissão que adoro :)

    Beijinhos, O blog da Mó | Instagram

    ResponderEliminar
  8. Tens uma profissão que eu acho que não conseguia ter! Mas, se gostas do que fazes, é muito bom (;

    ResponderEliminar
  9. As crianças são o melhor do mundo!
    Mas acredito que haja pais muito mais dificeis de lidar que os próprios filhos!...

    ResponderEliminar
  10. Por vezes é muito complicado de facto, mas acredito que os momentos bons compensam tudo :)

    ResponderEliminar
  11. Gostei muito da tua publicação e percebi que definitivamente não tinha paciência para lidar constantemente com crianças. xD

    ResponderEliminar
  12. P.S. Sou suspeita, por adorei ambos, mas valem mesmo a pena conhecer :)

    ResponderEliminar
  13. Eu faço babysitting e é apenas uma criança e os pais são meu amigos, o que torna tudo sem dúvida mais fácil. Estou há cerca de meio ano com eles e penso imensas vezes no trabalho de uma educadora, que não tem um, tem 10/20, não sei.
    Dou imenso valor, porque se com um, há dias, que não é fácil... imagino com tantos!*

    A Marta

    ResponderEliminar
  14. Eu não conseguia. É de dar valor a vocês que conseguem, é preciso vocação!

    ResponderEliminar

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?