terça-feira, janeiro 9

: Ter um cão não é só alegrias...

Sim, eu sou das que dão beijos ao cão!

Antes de irmos buscar o Floki o David pôs-me logo a par de todas as particularidades de se ter um cão - ele já tinha tido uma cadela - por isso não me meti nesta aventura sem saber ao que ia. Ainda assim ninguém nos pode preparar para as coisas mirabolantes que os patudos conseguem inventar! Deixo-vos uma lista de alguns pormenores que já vivi nestes últimos meses. Vou desde a coisa mais simples até aquelas pelas quais nem todos passam:



( 1 ) - Apanhar o cocó deles não é agradável. É um cheiro horrível e quando ainda são pequenos não fazem as coisas com a melhor das consistências. Há dias em que aquilo custa. Mas prezo demasiado os espaços que frequento e sou incapaz de deixar lixo no chão. Mesmo que isso signifique enfrentar o mau cheiro.

( 2 ) - Vão ter que ir passeá-los várias vezes ao dia. O meu tem dias que me acorda às 7 da manhã porque quer ir à rua. Sim, acorda-me. Senta-se ao lado da minha cama a resmungar até que eu acordo. Conseguem imaginar a dor de sair da cama a essa hora e ter que enfrentar o frio/chuva/vento?! Ou ter que ir à rua quase à meia-noite?! Eu já me habituei e sabe-me bem o ar fresco mas, acreditem, custa muito ao início. Acabei por me tornar um membro vitalício do grupo de pessoas que vão à rua de pijama...

( 3 ) - Vão ter que ensiná-los e dedicar-lhes tempo. Ter um cão não é só dar-lhe comida, água e um teto. Há que manter a mente dele ativa, brincar com ele, levá-lo a dar um passeio maior. Nós apostamos muito em brinquedos que lhe estimulam a mente (como por exemplo o snuffle mat ou um kong improvisado); Ensinamos truques novos; Damos passeios maiores sempre que possível. Tudo é válido quando diz respeito a manter o cão verdadeiramente feliz. 

( 4 ) - Ficam doentes. O Floki nestes meses conseguiu ter Tosse do Canil (por causa das exposições onde foi), descobrimos que terá uma alergia ambiental (provavelmente a velas/aromatizadores que tínhamos em casa) e já nos pregou alguns outros sustos que não vale a pena estar a enumerar. Nós estávamos preparados para os típicos problemas de bouledogues franceses mas, neste caso, é só mesmo problemas que não lembram a ninguém e com os quais não sabíamos lidar. No veterinário assim que nos vêem entrar perguntam logo «O que inventou o Floki desta vez?!».

( 5 ) - Perdem pêlo suficiente para fazer outro cão. Se não gostarem de ter a casa suja então é melhor estarem sossegados. A raça do Floki não tem fama de perder muito pêlo e, mesmo assim, eu acho que ando sempre com a casa num nojo. É preciso escová-lo quase diariamente (principalmente na altura do calor) para ir tirando os pêlos mortos. E limpar a casa umas quatro vezes ao dia.

( 6 ) - Nunca mais vão ter a casa 100% organizada. Quem entrar em minha casa, em determinados dias, deve pensar que fomos alvo de um assalto. Há brinquedos por todo o lado e os tapetes andam sempre do avesso. Eu bem tento ensinar-lhe a arrumar os brinquedos na caixa mas é escusado. Eu arrumo a casa e passada meia hora tenho tudo como estava. É preciso respirar fundo umas mil vezes!

( 7 ) - Vão andar quase sempre atrás de vocês. Na maioria das vezes é muito giro tê-lo ao pé de mim mas já ia caindo umas dezenas de vezes porque ele se mete debaixo de mim, literalmente. Mas esqueço tudo isso quando ele se aninha junto a mim no sofá.

( 8 ) - Eles vão testar-vos. Não, não estou a brincar. Os cães são autênticas crianças que tentam sempre esticar a corda. Um não tem mesmo que ser um não. Todos os dias tenho que me chatear com ele e há momentos em que acho que ele está a gozar connosco. Afinal já não preciso de ter um filho... Tenho o Floki.

( 9 ) - Vai parecer que vos levam o dinheiro todo. Quase parece que ele me vai à carteira. Seja com as despesas típicas, alimentação e veterinário, seja porque vejo algum brinquedo giro e não consigo resistir. A nossa solução: para despesas maiores fazemos uma poupança à parte, destinada a ele. Assim os extras já não custam tanto.

( 10 ) - Vão fazer com que se apaixonem por eles. São tolos, são engraçados, são brincalhões, são um amor. E vão dar-vos muito amor. Têm que estar preparados, porque os cães não conhecem limites no carinho que vos dão. Preparem-se para mil lambidelas, para saltos inesperados para cima das vossas pernas, para boas-vindas enérgicas no final do dia. O Floki enche a casa só pelo simples facto de estar connosco. E já não imagino a minha vida sem ele. Porque a verdade é que eu queixo-me de tudo mas logo a seguir estou agarrada e ele. Trazê-lo foi a melhor decisão que poderíamos ter tomado.

Se depois de leres estes pontos não estás desmotivado então parabéns, já és ou serás um excelente dono. Esperam-te anos de muitas alegrias!

16 comentários:

  1. Gosto muito de animais... na casa dos outros. Não tenho o tipo de paciência e espírito de sacrifício que um animal exige. Acho lindo, adoraria ter um cão ou gato, mas sei que me ia passar com a casa sempre num nojo (ou por ter que estar sempre a limpar), pêlos por todo o lado, ter que sair a qualquer hora para os passear, etc etc. Admiro muito quem tem esse tipo de amor que não vê esses inconvenientes (ou que os aceita facilmente pela recompensa que é ter um animal), mas eu não sou nada assim.

    ResponderEliminar
  2. O que eles nos dão compensa isso tudo! Infeliz é quem não percebe isso.

    ResponderEliminar
  3. Precisas é de dar um irmão ao Floki para ele cuidar do bebé e tornar-se mais "adulto" ahahaha estou a brincar. O Floki parece um amor!

    ResponderEliminar
  4. Quero muito ter um cão, mas ainda não me sinto preparada para a responsabilidade, parecendo que não é quase como ter um filho.
    adorei o post!
    beijinhos

    |novo post no blog|
    https://eyeelement.blogspot.pt/2018/01/porque-e-que-o-meu-blog-esta-sempre.html

    ResponderEliminar
  5. Não tenho um cão mas tenho um gatinho e subscrevo tudo isto que disseste. Eles dão trabalho sim, mas no final do dia tudo vale a pena só para receber o amor deles.

    ResponderEliminar
  6. Eu tenho um cão, mas como vivo com os meus pais as tarefas acabam por ser repartidas, mas revejo-o em toda a lista.
    E quando estão doentes pior que o dinheiro é deixarem-nos o coração nas mãos.
    Mas o amor tão puro que nos dão sem termos de o pedir compensa :D

    ResponderEliminar
  7. Eu só estou à espera de me mudar para uma casa em condições, uma moradia, queria ter um cão de porte pequeno mas não o quero ter no apartamento, quero que tenha espaço para brincar ao ar livre =)

    MRS. MARGOT

    ResponderEliminar
  8. Ter um animal também tem estas partes mais chatas, por isso, quando nos aventuramos a adotar um, é importante termos estes aspetos em conta. Ainda assim, quando gostamos verdadeiramente, tudo compensa *.*

    Também encho o meu Goji de beijos ahahah

    ResponderEliminar
  9. Tenho o Enzo já a dois anos e apesar do trabalho todo e de me sujar a casa e por vezes tirar-me do sério, não me arrependo de o ter. Veio para junto de mim numa altura que precisava de companhia e sem duvida que o fez.

    ResponderEliminar
  10. uiiii!! ter um animal não é só alegrias e acho que é por não perceberem isso que há tantos animais por aí na rua atualmente :( mas porra! mesmo assim, ainda estou para perceber quem é que consegue não se afeiçoar logo aos bichanocos! dão trabalho, é verdade, mas o dia-a-dia sem eles é tão menos engraçado!

    r: owww! obrigadaaaa!

    ResponderEliminar
  11. Sempre tive cães durante o meu crescimento e até certa altura achei que a coisa parecia fácil de mais (no fundo a minha mãe fazia parecer fácil). Hoje já na minha casa, por mais que goste de animais, não vou na irresponsabilidade de ter um. Eu sou preguiçosa o suficiente para não conseguir tratar de mim direito, quanto mais de um cão. Tenho de dar parabéns a todos aqueles que conseguem criar um sem perder as estribeiras… porque sei que não é fácil.

    ResponderEliminar
  12. Infelizmente o snow não é um cão extremamente saúdavel, tem os seus problemas e já gastamos imenso dinheiro com veterinários o: Agora os pêlos e com um bebé a gatinhar não é nada bom, todos os tenho que aspirar xD Infelizmente não temos sido os melhores donos, mas se tudo correr bem vamos dar o que eles merecem, espaço para correr e serem felizes *-*

    Beijinhos,
    BLOG DEZASSETE

    ResponderEliminar
  13. Eu sempre adorei cães, mas não tenho disponibilidade nem tempo, sobretudo para a regra n.º 2 que colocaste acima. Neste momento tenho dois gatos, mas confesso que não é a mesma coisa... São muito menos interativos e afetuosos.
    Assinado: Bloger do "Triangulo Perfeito"

    ResponderEliminar
  14. Sei muito bem o que isso é, tenho um cãozinho e é como um filho para mim, mas por muito que limpe a casa passado segundos está o chão coberto de pêlos pretos talvez seja das coisas que mais me faz aflição ver tanto pêlo e nunca ter a casa com o chão limpinho.

    ResponderEliminar
  15. Os animais são mesmo a melhor coisa do mundo, dão trabalho, é preciso ter-se muita coisa em atenção, mas no fim o amor transmitido vale tudo, as lambidelas, os saltos :)
    O Floki é mesmo um sortudo.

    ResponderEliminar
  16. Não conto nunca ter um cão, que não tenho a menor paciência para nada disso. Mas tenho consciência! Deixo isso para quem se sente capaz de fazer tudo isso, como vocês :)

    ResponderEliminar

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?