sábado, março 3

: Quando nos conseguem ver para além dos muros.


Sempre me gabei de conseguir esconder bem aquilo que sentia. Sempre consegui disfarçar as mágoas e seguir em frente, sorrindo. O que eu não estava à espera era que as crianças conseguissem ver para lá desses muros que levantei. São elas as primeiras a sentir que algo não está certo e já aconteceu uma menina de três anos perguntar-me, do nada, se eu estava bem. Dia após dia as crianças desarmam-me e mostram-me que a transparência é a melhor resposta para os problemas. Dia após dia os pequenos alegram-me com um simples abraço, com um beijinho ou com um gosto de ti. Pequenos gestos que não têm segundas intenções e que nos fazem questionar em que momento perdemos a pureza no coração. As crianças deixam-me muitas vezes sem resposta e essa é, para mim, a prova de que elas têm muito para nos ensinar. Talvez devêssemos ser mais como elas: transparentes. Dizer o que nos vai na alma e chorar, sempre que sentirmos ser necessário. Pedir colo, sem vergonhas. Devíamos mostrar aquilo que nos vai na alma ao invés de construir muros que nada protegem e tudo afastam. Sejamos nós, sem medos.

9 comentários:

  1. Gostava de ser um pouco como tu, mas sou muito sensível e é fácil de perceber quando não estou bem. As crianças são a melhor coisa do mundo, conseguem perceber bem o que se passa, por vezes, até melhor que os adultos.

    ResponderEliminar
  2. As crianças percebem as coisas melhor do que nós pensamos. Acho que é essa transparência e espontaneidade que as caracteriza e as faz ser tão especiais, devíamos mesmo ser mais como elas.

    ResponderEliminar
  3. Hoje em dia as crianças perdem a inocência cada vez mais cedo. A vida ensina-os que sem hipocrisia, é difícil vingar no mundo dos adultos.

    ResponderEliminar
  4. Perdemos tanto tempo a aprender a esconder os nossos sentimentos, a criar barreiras como dizes, a engolirmos lágrimas para nos sentirmos fortes... Devíamos ser mais sinceros connosco como as crianças.

    ResponderEliminar
  5. É tão isto, que tudo o que possa dizer a seguir não será mais do que uma cópia de pensamentos! As crianças são mesmo maravilhosas *.*

    r: Muito obrigada, minha querida <3

    ResponderEliminar
  6. Que elas sejam sempre inspiradoras, mas nunca meras e ilusórias projecções de algo que nos pisa a subconsciência.

    ResponderEliminar
  7. Identifico-me TANTO TANTO TANTO com as tuas palavras! Eu também sou muito assim e, confesso que quando estou com crianças sinto que posso ser 100% eu, sem barreiras e paredes!

    ResponderEliminar
  8. Concordo a 100%.
    Um dia algo muito triste me tinha acontecido mas não podia deixar de ir dar aulas. Quando entrei na sala tinha um peso no corpo todo, na minha cabeça pairava a pergunta "como é que eu vou conseguir ensinar seja o que for? Mal consigo pensar". Os meninos entraram e sentaram-se, como sempre. Mas quando me virei para começar a falar com eles (o que nem eu sabia o que dizer) vieram três dar-me um abraço gigante daqueles mesmo apertados. Não falei nada, não tinham como saber. E sabiam que a regra era que só se podiam levantar quando eu desse autorização. Mas naquele momento não hesitaram: sentiram algo em mim e quebraram a regra. Fiquei extremamente emocionada e naquele momento a tristeza deu lugar à gratidão pelo amor imenso e instinto infalível das crianças. Não tinha força nenhuma mas com o que pude abracei-as também. E elas lá contentes foram para o seu lugar sem dizer nada... Incrível :')

    ResponderEliminar
  9. E tu desarmaste-me... com este texto. Tal como eles te desarmam a ti.

    ResponderEliminar

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?