domingo, julho 1

: "Ai se fosse meu filho!"


Disse muitas vezes esta frase durante o curso e nos primeiros anos de trabalho. Fazia-me confusão algumas atitudes dos pais e tinha o pensamento egocêntrico de que sabia mais e melhor. Ainda assim sempre me abstive de comentários e dava a minha opinião apenas quando era pedida. A pior coisa que podemos fazer aos pais é questionar o seu modo de educar. Agora, com o avançar da idade e com mais experiência, vejo que não é tudo preto no branco. E se eu for daquelas mães que cede de vez em quando para não ter que ouvir mais uma birra? E se for daquelas mães que adormece o bebé ao colo ou na mama? Eu bem sei que depois na creche é tudo mais difícil mas e se na altura ignorar toda a teoria que sei? Aprendi a não julgar comportamento alheios porque a verdade é que não sei o que está por detrás de tais escolhas. Só aquela frase em momentos muito particulares porque, temos todos que concordar, não é aceitável um filho bater aos pais ou o seu pequeno-almoço ser só doces ou até batatas fritas. Há limites para tudo. Agora calo os pensamentos egoístas porque não sei que mãe vou ser. Não sei que filho irei ter. Não sei que ginásticas vou ter que inventar para educá-lo da melhor maneira possível. E só na altura saberei adaptar-me a essa nova dinâmica. E, quando lá chegar, também não quero ser julgada. O mais importante é fazermos o melhor para os nossos filhos.

11 comentários:

  1. Os pais e os filhos são todos diferentes e os filhos ainda não vêm com manual de instruções. É preciso saber manter o discernimento e saber adaptar as regras ao filho e à ocasião.

    ResponderEliminar
  2. Como sabes sou mãe de duas meninas humanas. Dizia muitas vezes essa frase até ser mãe...

    ResponderEliminar
  3. Há situações extremas em que, de facto, me parece que esta expressão acaba por fazer sentido, mas nas restantes temos que ter mais cautela. Porque, lá está, não sabemos o "que está por detrás de tais escolhas".
    Esta postura é um grande sinal de maturidade :)

    ResponderEliminar
  4. r: Sou suspeita, mas sinto que MST tem uma forma de contar histórias muito cativante. Tenho gostado de tudo o que tenho lido dele, com particular destaque para Equador e No Teu Deserto

    Gosto muito da voz do Nacarato, mas aquela música surpreendeu-me imenso :)

    Significa muito ler isso, de coração!

    É mesmo difícil uma pessoa não se emocionar com aquele género de vídeos. Sempre que aquele anúncio passa no Porto Canal, acontece-me o mesmo. Há pessoas com um talento fantástico, que conseguem mesmo representar o nosso amor *-*

    Se experimentares, depois diz-me se gostaste

    É cheia de energia, bem ao estilo de Expensive Soul. Além de que fica no ouvido :D

    A lealdade deles é comovente! Espero que sim, minha querida

    "Eu tenho muita dificuldade em acreditar nos elogios que me fazem", era tão igual, porque também achava sempre um exagero. Mas é bom fazermos essa desconstrução.
    Fazes muito bem, até porque tenho a certeza que não te faltam qualidades!
    Muito, muito obrigada. De coração, digo-te o mesmo <3

    ResponderEliminar
  5. Acho que todos dizemos isso, mas também é muito fácil julgar.
    Mas nós não sabemos o que vai por trás.
    E quando formos mães nós não sabemos como vai ser, e muito menos como vai ser o nosso filho.
    Já vi filhos "terríveis", e pais espectaculares, ou vice-versa.

    ResponderEliminar
  6. Muito verdade, cada criança é especial à sua maneira e isto de educar uma pessoinha têm mesmo muito que se lhe diga!!

    Mas pelo menos direito a serem saudáveis, é mesmo um direito!!

    ResponderEliminar
  7. Todos nós pensamos assim, até darmos de caras com a maternidade ou com a desromantização da maternidade. Acho que o processo de deixarmos de julgar as mães (com o pormenor que os pais quase nunca são incluídos nas críticas negativas) está a evoluir, mas ainda há um longo caminho a percorrer.

    ResponderEliminar
  8. r: acredita que foi espetacular o concerto, adorei mesmo.

    ResponderEliminar
  9. Sou mãe há 9 anos e prestes a ser pela 2ª vez, mas continuo a achar que essa frase faz sentido em algumas situações. Como essas que referes em que penso que toda a gente com bom senso concorda. Porém, a maternidade faz-nos ver as coisas com outros olhos e, na maioria das vezes, é melhor morder a língua, porque os miúdos vêm com personalidade, nós não somos perfeitas, há dias em que estamos esgotadas... toda uma série de factores que nos pode levar ao limite e a ceder em algumas coisas, às vezes, só para tudo acalmar naquele momento.

    ResponderEliminar
  10. Muito sensato pensares assim!

    JU VIBES | @itsjuvibes ❤

    ResponderEliminar

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?