sexta-feira, agosto 3

: Um longo caminho, até ti.


Deixei-te ir sem dizer o que sentia. Deixei-te ir sem ter ganho coragem para te dar um abraço.  Daqueles que nos tiram o ar e nos fazem sentir em casa. Deixei-te, simplesmente, ir. Foste para longe, para parte incerta. E eu penso em ti, em todos os minutos do meu longo dia. Lembro os teus traços tão vincados. A tua voz tão segura. A tua gargalhada contagiante. O teu toque delicado no meu braço. Na minha mão. Bolas... Deixei-te ir e o meu coração está apertado com remorsos. Como é possível ter perdido tantas oportunidades para confirmar aquilo que decerto sempre desconfiaste? Como pude guardar este amor só para mim? Foste embora, de olhar preso em mim, até que o caminho quebrou o nosso elo. E eu, que me apaixonei perdidamente por ti, nada fiz. Seremos sempre culpados por tudo aquilo que não fomos. Até que o destino nos cruze outra vez.

#fictício

7 comentários:

  1. Quantas pessoas - e oportunidades - deixamos ir por qualquer traço de medo ou insegurança? É tão fácil sentir, mas dizer ao outro o que nos vai no coração parece uma tarefa impossível. Um dia vamos compreender que perdemos mais por guardar estas coisas para nós.

    Sempre fantástica, minha querida!

    ResponderEliminar
  2. Tão lindo! É tão triste ao mesmo tempo! Apanhei um susto até perceber que era fictício ahah
    Espero que estejas mesmo bem, beijinhos 😘

    ResponderEliminar
  3. Apesar de ser fictício, algumas partes deste texto aplicam-se a mim. Gostei imenso de ler :)

    ResponderEliminar
  4. "Até que o destino nos cruze outra vez." bonito, bonito, bonito :)

    r: tens de ir ouvir "já se passou tudo" ou a "não se passa nada" do pirukinha! ;)

    ResponderEliminar
  5. r: és tão tola ahahahah o marcelito é um fofito!

    ResponderEliminar
  6. "Seremos sempre culpados por tudo aquilo que não fomos." Tão isto.

    ResponderEliminar

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?